Minhas Pinturas

Seguidores

Minha lista de blogs

sexta-feira, 22 de junho de 2018

Heróois!?


                           
O circo está armado, não precisamos mais nos preocupar com a falta de emprego, com a falência do país, com a corrupção contínua, com candidatos corruptos à presidência da república, não precisamos nos preocupar mais...........Está tudo ótimo, podemos soltar fogos, rir, dormir em paz!
Tudo está cor de rosa com bolinhas da mesma cor, pão com fartura na mesa do povo, roupas novas, empregos para todos, dinheiro sobrando, festa rolando... AFINAL O BRASIL ESTÁ “GANHANDO”, hoje de   2 a 0 contra o “timão” (cansados!) da Costa Rica!
É isso aí pessoal não se preocupem entrem no circo, o importante é o futebol, nossos HERÓIS estão lutando estamos salvos não haverá mais miséria.
Léah


sexta-feira, 8 de junho de 2018

Minhas desventuras

"vaso na janela"- óleo sobre tela 20cm x 30cm


Ontem tive que ir ao centro da cidade, peguei o Metrô da linha 4 eram mais ou menos 14 horas, estava praticamente vazio fui sentadinha. Ir no próprio carro para o centro é complicado o estacionamento além de ser raro é caríssimo. Ao meu lado sentou-se uma gestante que puxou conversa comigo, ora se achando feliz por seu estado, ora se sentindo infeliz por tudo que sentia fisicamente, fiquei pensando se ela realmente desejava aquela criança! Mas a viagem foi rápida levei menos de quarenta minutos de carro ou ônibus que levariam duas horas ou mais, nesse transito louco, e lá estava eu andando por ruas lotadas de gente, buscando um tecido para cortinas novas de minha sala.
Demorei para encontrar e o tempo não para, embrulho pesado e hora do rush, resolvi pegar um taxi, até que foi fácil, o motorista creio eu pesava uns cem quilos, e como todo motorista de taxi, começou a conversar, primeiro sobre a greve dos caminhoneiros, e aí começou a desventura, ele descambou a falar sobre os assassinos, assaltantes o quantos ele já havia mandado para o além!
_ Pois é não sei se a senhora sabe, claro que não, como iria saber!
– E começou a rir de sua própria gracinha.
--Mas sou um ex-policial, e vou lhe contar um caso pessoal.
-- Enquanto eu pensava que se eu fosse homem e padre, com toda certeza não encontraria tantas pessoas querendo se confessar comigo, mas naquela situação o que poderia fazer? Torcendo para que alguém de casa me ligasse, perguntando em que altura da cidade eu estava, para eu poder interromper aquela insanidade com o toque do celular, mas não dei sorte, e ele continuou.
--Pois é minha mãe é uma pessoa doce e quieta, adora bichos e quando o cachorrinho dela morreu, ficou desolada e doente, meu sobrinho que foi criado por minha mãe, um dia foi lá numa cidade dessas de Minas Gerais onde tem um viveiro de pássaros que vende papagaios, periquitos e sei lá mais o que, tem licença do IBAMA, comprou um papagaio e trouxe para minha mãe, que se apaixonou pelo bichinho. E sabe que papagaio dura anos é que nem tartaruga? Não a senhora não sabe.
–E lá estava ele rindo de novo de sua revelação, com um olhar de descobridor da pólvora. Sei que papagaios duram muito e tartarugas muito mais ainda, mas deixei-o se sentir sábio, assim quem sabe acabaria aquela conversa que já estava pra lá de desagradável.
--Pois é eu sou um sujeito calmo, e paciente, e minha mãe tinha um vizinho viciado em drogas, e já havia roubado coisas pelo bairro, para comprar maconha, eu já tinha levado ele, para um terreno vazio, e dado umas borrachadas, num roubo que fez na vizinhança. Um dia minha mãe viu o danado forçando o portão, ele achou que ela não estava em casa. Quando ela percebeu começou a me chamar em voz alta como se eu estivesse na casa dela ele se assustou e fugiu. A partir daí fiquei de olho nele, um dia o papagaio da minha mãe sumiu, e um outro vizinho disse que viu o bandidão com ele na mão. Vendeu para comprar drogas.
Peguei ele numa noite, levei ele para um lugar bem longe dali, e interroguei até que ele confessou, meti bala na perna dele, quem mandou roubar o papagaio da minha mãe! Não sei como ele se safou, mas não morreu, só ficou manco, ainda encontrei com ele outra vez e ele saiu bem depressa de minha frente, não saiu correndo porque não consegue correr mais, mas eu o alcancei e dei-lhe um prazo para sumir dali, ou desta vez o tiro ia ser na cabeça. Ele sumiu.
A senhora não acha que estou certo? Roubou o papagaio de minha mãe!
-- Eu estava no taxi dele, ainda longe de casa, anoitecendo, e ele com aquele olhar me observando no espelho retrovisor. O que eu poderia dizer? Eu acho que ele ou era um mentiroso, com ideias de grandeza, ou era louco. Por um sim, por um não, dei-lhe razão, e comecei a falar da copa do mundo, eu que nada entendo de futebol! do que ele achava de ser na Rússia...
Ele falou de vários jogadores dos quais não faço a menor ideia de quem são, mas chegamos e nunca, nunca mais pego taxi, agora só Uber, os motoristas são educados e silenciosos, pelo menos nunca topei com um desvairado como este!!
Léah                                                                                                               FIM