Minhas Pinturas

Seguidores

Minha lista de blogs

quinta-feira, 8 de março de 2018

SORRIR

óleo sobre tela com 35cm x 1,20cm  "O rio e as pedras"


Creio que a melhor coisa é rir, melhor ainda é gargalhar, desopila o fígado, e apesar das ruguinhas em torno dos olhos, levo em consideração que elas surgirão com o tempo, e assim é melhor que venham por eu ter rido muito, ou gargalhado criando as tais rugas, aí é só aproveitar e rir delas também.
O dia estava correndo meio insosso sem sol nem chuva, e nada de novo no front, o que poderia existir eu já sabia, apenas já estava lá e não era novidade. Resolvi acabar de ler o livro que havia começado há dois dias, e mal sentei, o interfone toca e lá vou eu atravesso a sala, a copa, a cozinha, e chego na área de serviço onde ele está instalado, atendo e nem um alô ou olá, ou como dizem os portugueses está lá? Silêncio total, suponho ser engano do porteiro, e volto para onde estava, sento-me na minha poltrona preferida e pego meu leitor de livros para dar continuidade ao romance, meio chato, que estava lendo, mas quero lê-lo até o fim, falta pouco, e não vou encará-lo como tortura e sim como um passa tempo para aquele dia morno.
O interfone torna a tocar, pouso tudo, levanto-me, atravesso a sala, a copa, a cozinha, e quando chego na área e estico o braço para pegá-lo ele silencia! Caracoles, ligo para o porteiro, ninguém atende, insisto, nada! Morreu, escafedeu-se? Volto ao meu pouso, hei de vencer!
 Faço toda travessia chego à minha poltrona amada, minha chata leitura, sento-me, respiro fundo, e o interfone toca, deixo-o tocar, e ele não para toca até quase explodir minha paciência de Jó. Desta vez vou bem devagar, assim como se estivesse com reumatismo, me vingando do interfone, ou do porteiro, chego até ele e demoro a pegá-lo, aí do outro lado escuto uma voz quase me insultando: -- Poxa, Dona Margarida, não escutas o interfone tocar? – Aqui, não tem nenhuma margarina, nem no jarro de flores—
--Uai! tem certeza? – Talvez!
Desligo o interfone, se tenho certeza? Que pergunta é esta? e começo a voltar por aquela via que não tinha pedras no caminho, mas interfone. E antes de chegar na poltrona, o interfone torna a tocar, volto e tiro-o do gancho, e bem alegrinha vou para minha poltroninha, supondo estar livre daquele indigesto trim, trim... Ai, tocam a campainha da porta, outro blim-blom, e fico pensando deve ser este livro o culpado de tudo, vingança, porque chamei-o de chato! Lá vou eu até a porta, é o porteiro novo.
_D. Margarida, o seu interfone está enguiçado?
--O meu, ou o da Dona Margarida? Ele pensa uns segundos e diz:  –O da Dona Margarida.
-- Só vais saber se fores perguntar a Dona Margarida. Olhou-me espantado por uns segundos e perguntou
_A senhora não é Dona Margarida? --Sinceramente, estou em dúvida, vou olhar-me no espelho, para saber, espere só uns minutos. O homem me olhando como se isto fosse normal. Encostei a porta, um segundo depois, abri de novo e respondi: Não eu não sou a Dona Margarida. (Me segurando para não gargalhar).
--E onde ela está? –Segurei meu queixo, para não desatar a rir, e como se estivesse pensando, respondi sabes que não sei, mas acho bom procura-la, lá na casa dela, que também não sei onde é, e fechei a porta. Fui até a área e coloquei o interfone no gancho, e foi só o tempo do porteiro chegar no posto dele e eu parar de rir, e ele tocou de novo. Atendi e do outro lado: -- Aqui é o porteiro é a Dona Margarida. Respondi: --É, ele em seguida me perguntou:  --Seu interfone está mudo? –Quase sem poder responder por estar tendo um ataque de rizo, disse NÃO, e desliguei e sentei no chão rindo de chorar...

 Este porteiro estava no cargo há duas semanas, segundo o síndico me falou, mas não permaneceu, não por minha causa, eu estava até rindo bastante com tanta tolice! Mas fez confusões mais sérias, e por mais que o ensinassem ele não aprendia e foi despedido. Perguntei ele sabia ler? Pois ele tinha a lista dos moradores com seus nomes o número de cada casa respectiva. Sim, foi a resposta, então devia ser outro tipo de problema.
Léah                                                                                                         Fim



28 comentários:

  1. Fizeram—lhe o teste? O homem pode ter dito que sabia ler só para ficar com o emprego.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Elvira: Ele sabia ler, mas não queria ter o trabalho de procurar na lista as pessoas certas. Ele preencheu a ficha inteira, com seu nome endereço... no dia de sua admissão. mas também não tinha finura suficiente para se dirigir às pessoas, destratou algumas moradoras, soube-o depois. Está difícil, as pessoas se queixam, mas não querem trabalho querem emprego!
      bjs. Léah

      Excluir
  2. Muy graciosa tu entrada Léah. Ese portero era un poco ineficaz. Estuvo muy bueno lo que le dijiste de que te ibas a mirar al espejo a ver si eras Margarita, jajaja.
    Desde luego el reír es la mejor medicina que tiene el cuerpo humano.
    Un placer la lectura. Bellísima la pintura al óleo.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amiga Elda: O jeito melhor é levar na brincadeira para não estressar, já que as coisas estão cada dia piores.
      Obrigada pelo comentário.
      bjs. Léah

      Excluir
  3. rsrsrs, estás me saindo pior do que a encomenda! Mas que porteiro desligado! Mas acho que eu também me faria passar pela dona Margarida, rss. Amiga, temos de rir mesmo, a situação pede isso rapidinho antes de irmos para um hospício qualquer. Adoro teus 'causos', e o nosso cotidiano.

    Sabes, nós tivemos aqui um porteiro maluco, era doentinho da cabeça! Um dia o chamei para falar qualquer coisa que estava errada no prédio e ele tirou o celular do bolso e fez questão de me mostrar a namorada dele cantando!! Coisa completamente fora do assunto! Pior que eu não o bombardeei de pena, olhei a cena e disse: que maravilha! rssss não imaginas minha cara. Eu consigo imaginar a tua!

    E me diga... escrever não é a melhor das terapias?
    Beijinho! Bom fds.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é amiga, diante de tantos estresses, resolvi adotar sorrir, rir, gargalhar, e viver com calma, o riso será meu amigo inseparável. Experimente é bom, igual sandália Havaiana, só que no caso não tem lágrimas nem perdemos nossos cabelos.
      bjs. Léah

      Excluir
    2. Escrever e pintar... as melhores terapias!!! Esqueci de me referir à tua obra! Não diria que essa está maravilhosa, todo teu trabalho pictórico é maravilhoso!
      beijinho!! Boa semana...

      Excluir
  4. Adorei a sua história, soube mesmo bem depois de um dia cheio de stress.
    A tela é lindíssima.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Maria, O stress tem motor de espaço nave, enquanto a calma junto com a alegria andam a passos de tartaruga.
      Um Fim de semana bem calmo e feliz.
      bjs. Léah

      Excluir
  5. Linda a sua tela. Beijinho e bom fim de semana.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. OLÁ Sandra muito obrigada, um bom domingo para você.
      beijinhos, Léah

      Excluir
  6. Maravillosa luz y el brillo en el agua. Gran trabajo.

    besitos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada querida Olga, seu comentário é muito gentil.
      Beijinhos, Léah

      Excluir
  7. Amiga Léah, o que eu ri com esta crónica.
    Porteiro incompetente perdeu o lugar... mas antes fez rir você. Valeu!
    Eu adoro rir! As rugas em torno dos olhos não me afligem. São prova de muitas e boas risadas. Por vezes rego-as com lágrimas, mas disso não falemos agora.
    Rir desopila o fígado? A sério! Como posso eu ter "maus fígados" se riu tanto? Talvez necessite de rir mais. Vou fazer por isso.
    Léah, sabe quando eu percebo que tenho maus fígados? Quando alguém interrompe a minha leitura de um livro... fico louca!
    Porteiro não me interrompe não. Não tenho. Haja Deus!
    Beijo, amiga, e bom domingo.

    ResponderExcluir
  8. Léah, esqueci de dizer que amei a tela. Linda, linda!

    ResponderExcluir
  9. Olá amiga Teresa: As rugas aparecem e aparecem, para mim pelo menos, mas o riso é um santo remédio, é como ler um bom livro. Não achas?
    Amei falar com você :).
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  10. Olá, Léah!
    Falemos primeiro desta tua tela, "O rio e as pedras", óleo sobre tela: umbelíssima obra de arte de tua autoria . Parabéns.
    Também gostei muito de "SORRIR", este teu ótimo conto, com boas personagens, como a deste diálogo:

    "A senhora não é Dona Margarida? --Sinceramente, estou em dúvida, vou olhar-me no espelho, para saber, espere só uns minutos. O homem me olhando como se isto fosse normal. Encostei a porta, um segundo depois, abri de novo e respondi: Não eu não sou a Dona Margarida. (Me segurando para não gargalhar)."

    Ótima semana.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Pedro que bom que você se divertiu com este acontecimento que contei. É sempre bom esquecer as amarguras do mundo, do Brasil e rir para relaxar.
      Abraço, Léah

      Excluir
  11. Ri com a tua crónica, amiga, mas sabes o que me acontece com frequencia aqui ? O meu prédio não tem porteiro, aliás, isso é muito raro aqui em Portugal e, quando tocam a campainha na rua eu vou ao interfone e é sempre para a vizinha do lado. O meu ap é o 3o esquerdo frente e o da vizinha é 3o frente e, principalmente à noite, alguém que os vem visitar tem dificuldade em ver os números e toca na minha casa; agora já sei e nem vou ao interfone. Acontece com muita frequência, mas, se não estou à espera de visitas faço de conta que não ouvi nada. Quanto às rugas, Leah, elas acabam por aparecer, quer seja por rir ou por chorar, por isso é melhor sorrir e nao nos chatearmos por pequenos dissabores. Um beijinho e parabéns pela tela; escreves e pintas muito bem e isso é muito bom para ajudar a esquecer as marcas da idade. Fica bem, amiga.
    Emilia

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Querida Emília onde moro é necessário a existência de porteiro,por ser um condomínio de 30 casas cada uma com seu quintalzinho, e interfone e câmeras de segurança, sem isso seria impossível. O problema atual por aqui é que os candidatos à porteiro não têm competência, ou melhor educação, quando conseguem a
      vaga reclamam de tudo, atendem as pessoas mal, só querem o salário, trabalho nem pensar.
      Não sou vaidosa e prefiro ganhar rugas e estar viva, adoro viver, do que morrer cedo sem rugas, hahahaha!
      Amei falar com você.
      Beijinhos, Léah

      Excluir
  12. Afinal o tonto do homenzinho acabou por proporcionar uma tarde bem risível e a nós, uma leitura bem divertida.
    Se era analfabeto, por que aceitou o cargo?
    Foi uma leitura bem disposta e muito agradável, Léah.
    A tela está belíssima, querida Amiga. Equilíbrio e frescura... um encanto.
    Beijos.
    ~~~

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Ola Amiga Majo, que bom saber que estas voltando e que se divertiu com este acontecimento que contei. Ele não era analfabeto, tinha preguiça de ler a lista de moradores que tinha em mãos. Chega a ser impressionante uma preguiça deste tamanho, mas só querem ficar na cabine olhando para a TV, e ou dormindo! Grata por seu comentário,
      beijinhos, Léah

      Excluir
  13. Léah, passei para desejar um excelente fim de semana
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  14. Thank for your very good article! i always enjoy & read the post you are sharing!

    ดูหนัง

    ResponderExcluir
  15. me gusta mucho el paisaje, el tratamiento de la luz, el agua los verdes, los dichosos verdes, tratados con maestría y buen hacer.
    Enhorabuena.
    Saludos Cordiales.

    ResponderExcluir
  16. Rsrsrsrsrsrsr!... Rindo até agora!... :-D
    Amei a pintura, que está linda!...
    Deixo um beijo para você, Léah! E cumprimentos para a Dona Margarida!... :-)) enquanto limpo as lágrimas de riso!...
    Ana

    ResponderExcluir
  17. Léah, passei para desejar uma Santa Páscoa.
    Beijo no coração, amiga.

    ResponderExcluir
  18. Desculpe amiga, pensei que estava na sua última publicação...
    Não faz mal, pois não?!
    Beijo.

    ResponderExcluir