Minhas Pinturas

Seguidores

Minha lista de blogs

sábado, 5 de agosto de 2017

O MAR E eu

óleo sobre tela 40x20  "mar da Barra da Tijuca ao amanhecer"
Como comparar toda aquela beleza que era ver o sol despontar fazendo as aguas do mar se tingirem pouco a pouco, primeiro ficavam vermelhas, iam amarelando como ondas de ouro, até o verde aparecer lentamente com rendas de espumas brancas   indo e vindo beijar a areia, ali era o refúgio, era a calma, era a beleza. Era ali que todas as manhãs de sol eu buscava a paz, e via o poder da natureza, quando na rebentação o estrondo da onda contra a pedra mostrava sua força.
O mesmo mar que encanta e surpreende com sua beleza, também amedronta e nos leva a morte.
Há um tempo atrás aprendi a nadar numa grande piscina de um clube, mudamos de casa e então só nas férias quando íamos para a região dos lagos numa lagoa de aguas salgadas e muito mansa. Ali a natação era apenas diversão e exercício para o folego. Quando finalmente entre tantas mudanças de residência, fomos para um bairro banhado pelo mar aberto, com ondas fortes, veio a insegurança, o medo.
 
 Quando tomei coragem enfrentei o mar, afinal eu sabia nadar era só uma questão de tentar, de não me acovardar.  Então criei coragem e fui, aí  me senti especial, forte e fraca, corajosa e amedrontada, todos os sentimentos vinham juntos a cada braçada, passou a ser rotina nadar, e sem perceber  tudo, todos os medos  ficaram para trás e me achei poderosa, impossível de ser vencida por ele, o mar,  afinal eu sabia nadar! Mas a vaidade é veneno! Aí veio a resposta de quem realmente mandava ali, e uma onda enorme bem na hora em que eu distraída me preparava para sair feliz e arrogante, derrubou toda a minha vaidade arrastou-me por uns metros e após a surpresa e susto, larguei o corpo afundei, e quase sem folego nadei até a praia e a partir daí aprendi a respeitar aquela força, com toda a sua beleza hipnótica e aquele jeito encantador de falsa maciez.
Esse é o mar que amo e respeito.

Léah                                                                                Fim

19 comentários:

  1. Un bonito relato has hecho con la mirada de admiración y respeto hacia esa bella pintura. donde la realidad del mar parece que se tiene a mano.
    Bellísimos colores en tu obra pictórica, y linda exposición de tus sentires.
    Un abrazo Léah.

    ResponderExcluir
  2. O mar é lido, no seu todo, saber nadar e pensar que se domina, é sempre engano, os sustos que se apanham, servem para nunca se menosprezar a sua força gigantesca. Mas uma grande viagem marítima para quem gosta de admirar o gigantismo do mar, é o máximo.
    Abraço

    ResponderExcluir
  3. Querida amiga Léah, linda tela, mostra toda a beleza dessa imensidão que é o mar!
    Seu poema/relato, de uma capacidade de nos transportar em palavras e sensações, pois é isso mesmo linda amiga, o mar, que também fez parte por alguns anos de minha vida, me deu susto e foi uma única vez, nunca mais me atrevi a enfrentá-lo!
    Lindo, majestoso, cada dia de um jeito, eis mesmo a sua forma de nos impor respeito!
    Lindíssima postagem, amei!
    Abraços apertados!

    ResponderExcluir
  4. O mar é lindo e tem um efeito hipnótico mas há que se respeitar a sua força. A tela é belíssima e traz o encanto dourado que tinge as águas de amarelo ouro fazendo-nos sonhar
    Uma linda e abençoada semana Léah
    Beijos

    ResponderExcluir
  5. Linda creacion!!! Me gusta mucho, mi amiga.

    ResponderExcluir
  6. Léah, essa sua crônica me lembrou um poema de Casimiro de Abreu (do nosso tempo de estudante) em que ele (ainda menino) fala assim:
    “Que dura orquestra! Que furor insano!
    “Que pode haver maior do que o oceano,
    “Ou que seja mais forte do que o vento?!”...
    Você deve lembrar desse poema.
    Mas contudo, o que mais respeito é o mar. Não sei o que há lá por baixo, aqui há muitos siris, Água vivas... tudo devido aos ventos. Bandeira branca é raro. Não me sinto confortável onde não vejo nada. Mas acho lindo, sem dúvida. No Rio de Janeiro o mar é belo. Se você se sente assim, imagine você aqui!!! rsss. Adorei sua crônica, mostrou como somos pequeninos nas horas de sufoco...Cuide-se sempre. Mar é traiçoeiro - dizem aqui.
    Beijo, amiga!

    ResponderExcluir
  7. Olá Léah!
    Linda, linda esta sua crónica. E a pintura que a acompanha... uau!!
    Sabe amiga, eu amo o mar, mas tenho medo dele, muito medo. Num dia dos meus doze anos, ele me enrolou e me atirou para o areal violentamente. Não esqueci, mas perdoei.
    Concordo com a Tais o "mar é traiçoeiro". Mas é tão belo!
    Vivo pertinho dele. Vejo-o todos os dias, sinto o seu cheiro e isso basta para me acalmar quando a agitação não é dele mas minha.
    Léah, que bem você escreve, amiga. E que bem pinta.
    Seu eu soubesse pintar, de verdade não de mentirinha, enchia telas e mais telas de MAR. A sério!
    Beijo.

    ResponderExcluir
  8. Adoro o mar mas como não sei nadar, fico apenas à beirinha.
    Lindíssima tela.
    Beijinhos
    Maria de
    Divagar Sobre Tudo um Pouco

    ResponderExcluir
  9. um conto belo ,sei nadar mas prefiro ander à beirinha para inalar o ar salino
    abraço

    ResponderExcluir
  10. Querida Leah, esta tua cronica fez-me lembra de umdia há muitos já. Sempre morei no Estado de S. Paulo, mas tinha duas tias no Rio e costumava passar uns dias lá, na praia de Araruama. Mas um dia fui a Saquarema e sabia do perigo daquelas ondas, mas esqueci e de repente vejo-me cair a uns metros de distância com um estrondo enorme; nem sei com sai de lá só com dores no corpo. Não gosto muito de água, a não ser a do chuveiro, mas, se forem quentinhas ainda arrisco a entrar no mar, mas há que ter muito respeito, pois ele, muito belo, também é traiçoeiro. Muito obrigada pelo belo post, amiga. Um beijinho e fica bem.
    Emilia



    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Corrigindo...há muitos anos....
      beijos e desculpa
      Emilia

      Excluir
  11. Parabéns, Léah, pela sua bela pintura ( mar da Barra da Tijuca ao amanhecer, óleo sobre tela 40x20), O mesmo cumprimento para esta sua bela crônica, falando de sua vida e do mar, sua coragem e medo, ao mesmo tempo, para enfrentá-lo. Nesse embalo de sua crônica, também eu andei passeando um pouco pelas praias cariocas, esquecendo um pouco deste frio, do vento gelado desta noite, aqui na terra Gaúcha.
    Um abraço, Léah.
    Pedro

    ResponderExcluir
  12. Boa noite, a sua tela é linda! Adoro sentir a brisa marinha, o cheiro a mar! Tenho um grande respeito pelo mar, é lindo mas também é medonho! Adoro caminhar na areia bem pertinho do mar e sentir o sol...beijinho e tudo de bom!

    ResponderExcluir
  13. Muchas gracias por compartir estos momentos y tu linda pintura.Maravillosa.
    Un abrazo.

    ResponderExcluir
  14. Parabéns pela tela, é magnífica.
    A experiência portuguesa é ver o sol a por-se no mar, ao contrário dos brasileiros, que o vêm nascer. Ainda que diferentes, são dois acontecimentos de grande beleza.
    O mar é sempre perigoso, seja pela profundidade ou pela ondulação. Por isso, mesmo sabendo nadar, nunca devemos virar-lhe as costas...
    Bom fim de semana, amiga Léah.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  15. Olá, bom dia, adorei suas pinturas. Eu amo o mar e ao mesmo tempo acho ele assustador.
    Seu texto tá lindo. Já estou seguindo seu cantinho fofo. Poderia seguir o meu também?
    Bjus e bom domingo.

    ResponderExcluir
  16. Belo quadro, belo mar e belo texto!
    beijinho amigo

    ResponderExcluir