Minhas Pinturas

Seguidores

Minha lista de blogs

quinta-feira, 4 de maio de 2017

A falsa generosidade

desenho à crayon e guache- "o caminhãozinho do Wilso"

Wilso comprou um caminhãozinho, carroceria verde, cabine brilhante novo em folha! Com ele Wilso passou a fazer o transporte das suas verduras, que cultivava no sítio, e a desfilar pela cidade todo orgulhoso de sua aquisição, quando saía do caminhãozinho ficava parado do lado de fora, encostado na porta, balançando a chave, para que todos vissem que ele era o dono!
A igreja que ficava a alguns passos de sua chácara, era mais um lugar de exibição, colocava a filharada na carroceria e a mulher, igualmente orgulhosa, na cabine e ia ele para a missa de domingo, que antes nunca frequentava.
Era uma cidade pequena onde havia solidariedade entre os vizinhos, até por uma questão de sobrevivência, mas nem todos eram assim.
Wilso baixinho falastrão que na hora de contar suas vantagens se esticava todo, para se sentir mais alto, nunca ajudara ninguém, e também nunca pedira ajuda, se gabava como se fosse de outra estirpe, e com seu caminhão ficou pior.
Seu vizinho Tonico, dono de uma pequena e modesta chácara, que ficava ao lado do sitio de wilso, correu até lá para ver a grande novidade, o caminhãozinho do Wilso, e se encheu de inveja, voltou para casa amuado, com raiva do mundo, como aquele contador de vantagens conseguiu, aquele caminhão, e ele não! Era só isso que repetia. À noitinha Tonico correu para a tendinha, onde alguns vizinhos se reuniam para tomar uma pinga e contar as novidades, mas todos já sabiam da compra do Wilso, e nem ligaram muito, na tendinha um pequeno aparelho de TV, mostrava o jogo de futebol de um campeonato qualquer, que todos queriam assistir, mas Tonico repetia o refrão, “mas como ele conseguiu, e eu não?”
 - “Sabe-se lá Tonico, vai ver o home tem dinheiro mesmo” - falavam os outros já enjoados da lenga, lenga do invejoso Tonico.
Passaram-se meses e Tonico olhava magoado a exibição de Wilso.
“ _Aquele anão, como é um besta, fica passeando com aquele caminhão como se fosse uma grande coisa, anda tanto com ele, daqui a pouco vai enguiçar, aí é que eu quero ver, quem vai ajudar ele a levar as verduras, eu é que não sou.”-
Uma noite dona Giza, mulher de Tonico, passou mal da pressão, e como era uma noite de chuva, Tonico ficou preocupado, como ele ia levar sua mulher ao hospital lá no centro da cidade, pensou em arrumar a carroça cobrir com a lona e leva-la ao hospital, mas seria um risco ela mal conseguia ficar de pé, que dirá deitar na carroça!
Resolveu, pedir ajuda a Wilso com seu caminhãozinho, bateu na porta da frente, ninguém atendeu, foi na de trás, já desesperado, até que Wilso veio atender com um sorriso estampado na cara, e Tonico com esforço engoliu sua inveja e orgulho e pediu que levasse sua mulher até ao hospital, na cabine sequinha do caminhãozinho, aquele que ele tanto torcia para que enguiçasse.
Claro que Wilso levou-a, foi o tempo todo muito esticado atrás do volante, sem trocar palavra. Enquanto Tonico e Giza iam agarrados no estreito banco da cabine. Ela foi internada, medicada e sobreviveu, mas em cidade pequena tudo se sabe, o que há de bom e de ruim, e todos só comentavam a ajuda de Wilso e a vergonha que Tonico teve que passar, que agora era só elogios ao Wilso e ao caminhãozinho.
Ninguém entendia porque seu Wilso, que nunca fora prestativo, resolvera ajudar Tonico e dona Giza.
Um dia ele explicou, depois de umas pingas, além da conta,  lá na vendinha abriu o verbo.
-“Sabia de todos os comentários de Tonico sobre mim e meu caminhãozinho, e adorei vê-lo precisar e se humilhar, mas gostei muito mais de ser elogiado por todos por eu ter sido generoso, agora sou respeitado.”—
E passou a andar mais esticado ainda, estava se sentindo um gigante, apesar de ter confundido seu ato de mesquinharia, e vingança com bondade. E ser respeitado estava longe de ser verdade, quando todos entenderam a razão de sua falsa generosidade.
Fim                                                                            Léah

33 comentários:

  1. Infelizmente há muita gente assim. Aqui em Portugal, costumamos dizer que são gente que dá um chouriço para receber um porco.
    Um abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Elvira adorei a historia do chouriço :)))).
      Obrigada pela visita e comentário

      Excluir
  2. hahaha, é o que mais tem, o ser humano não muda; se sempre foi desinteressado, invejoso e outros defeitos, não seria que de uma hora para outra iria mudar! Nosso caráter se forma até os 5 anos, depois ele vai sozinho! A verdade é que os dois, o Wilso e o Tonico são iguais, e dois, o 'tamanho' do seu Wilso e dos legumes... iguais não se bicam!
    Beijo, mas adorei o caminhãozinho!!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Pois é, estou cansada de ver isso, e 'isso'cansa a paciência.
      beijinhos

      Excluir
    2. Desculpe, amiga, nem eu entendi o meu comentário acima, vai o certo:

      É o que mais tem nesse mundo, o ser humano não muda; se os dois sempre foram desinteressados e invejosos, não seria de uma hora para outra que o relacionamento iria mudar! Nosso caráter se forma até os 5 anos, depois ele vai sozinho! A verdade é que os dois, o Wilso e o Tonico são iguais, e dois iguais não se bicam!
      Beijo, mas adorei o caminhãozinho!!!

      Excluir
  3. Oi Léah
    Um dupla e tanto heim?
    Uma esbanja falsa generosidade, o outro invejoso
    De pessoas assim é bom manter distância
    A pintura... eu amei!!!
    Ficou espetacular amiga. Parabéns
    Beijos e um sorriso

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade quanto mais longe melhor.
      beijinhos, Léah

      Excluir
  4. A vingança também pode ter a forma de generosidade....
    Uma boa história, já que revela de uma forma interessante uma particularidade muito comum da sociedade.
    Também gostei muito da sua pintura. Magnífica.
    Bom fim de semana, Léah.
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É o ser humano não mudou muito durante todos esses séculos, não assimilaram!! Obrigada.
      beijinhos.

      Excluir
  5. Uma história muito interessante que revela muito mais realidade do que se possa imaginar.
    Ser uma coisa e aparentar outra é o que mais há por esse mundo de Deus!
    Muito bem contado, gostei!

    Bom Fim-de-semana
    Beijinhos
    MARIAZITA / A CASA DA MARIQUINHAS

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Mariazita você falou tudo, esse negócio de querer ser o que não é, parece ser o 'mal do século', ou então é epidemia.
      beijinhos e boa semana.

      Excluir
  6. Querida amiga Léah, linda pintura, nossa, trabalho artístico lindo!
    Um belo conto, bem escrito por sinal, adorei ler!
    Sim essas são as facetas que muitas vezes se encontram em todos os lugares, principalmente em cidade pequenas, onde quase todo mundo se conhece, os que sobressaem fazem mesmo isso, o esnobe e o invejoso, mas a vida tem disso, maldizer é ruim, pois como no conto, o invejoso precisou da ajuda e o que ajudou, ah, aproveitou para se sobressair ainda mais, sim falsa generosidade!
    Tudo ilusão, que pena que muitos vivem assim, iludidos!
    Abraços querida amiga, parabéns pelos trabalhos lindos!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente viver de ilusão só traz problema, e tolo é aquele que não percebe isso.
      Obrigada pela visita e gentileza.
      beijinhos, Léah

      Excluir
  7. Oie amore .... obrigado pelo seu carinho em meu cantinho .... tenha um lindo fim de semana ...
    Deus te abençõe em td que fizer.

    ResponderExcluir
  8. Não há de que, obrigada
    a nós todos essa benção.
    beijinhos, Léah

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  10. Mi dispiace molto, ma ho fatto fatica a capire bene la storia anche con l'aiuto di google , ma ho molto ammirato il tuo dipinto ! Un lavoro di grande perfezione ! Abbraccio.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cara Jane è una piccola storia che racconta di un avido di una generosa falso. Sul mio blog ha un traduttore, non è molto buona, ma si può capire più o meno. Tuttavia la vostra visita e il tuo commento così delicato per me era bello e ho amato.
      baci,

      Excluir
  11. Olá Léah!
    Gostei muito desta sua crónica sobre o comportamentos. Invejosos e falsos generosos sempre houve e continuará a haver. Fiquemos longe deles.
    Amei o caminhãozinho! Minucioso trabalho. Lindo!
    Beijo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. É verdade sempre se encontram esses personagens pela vida a fora, e é sempre conveniente nos afastarmos deles.
      Obrigada pelo comentário gentil.
      beijinhos

      Excluir
  12. Amiga Léah o seu desenho do camiãozinho está tão perfeito que eu pensava que era uma fotografia :)
    Esta sua história embora ficcional, revela algumas das piores características humanas, a inveja e a soberba.

    Um beijinho e boa semana

    O Toque do coração


    ResponderExcluir
  13. Gosto muito quando vejo você por aqui.
    Obrigada pelo comentário gentil.
    beijinhos.

    ResponderExcluir
  14. A falsa bondade é uma coisa terrível...
    Obrigada pela história.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Graça estava com saudades. Obrigada digo eu pela visita e comentário.
      beijinhos

      Excluir
  15. Olá Léah.
    Este teu conto está mesmo muito bom. Gostei tanto da história como desses dois personagens, o Wilso com o seu caminhãozinho, todo empertigado, espichando-se quando falava para parecer maior, baixinho que era, e o outro personagem, o Tonico, invejoso, que teve de pedir favor ao Wilso, que acabou levando a mulher do Tonico para o hospital, quando estava mal da pressão. O Wilso ganhou um bom nome, mesmo que tenha feito um suposto bem ao Tonico, quando na verdade dele se vingou. Parabéns.
    Um abraço.
    Pedro

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Caro amigo Pedro, que bom que gostastes da historinha do caminhãozinho, a inveja como já dizia o Chacrinha...e a vaidade não fica atrás, mas são coisas da humanidade.
      beijinhos, Léah

      Excluir
  16. O desenho do caminhão está um show.Pensei que fosse foto de tão perfeito. Parabéns.Você é uma grande artista. O conto demonstra a que ponto pode chegar a pequenez de um ser humano, que até na hora de fazer caridade tem segundas intensões.A princípio imaginei que ele tivesse se redimido mas no fundo na sua brilhante visão ele demonstrou o quanto era pequeno também como pessoa.Um abraço

    ResponderExcluir
  17. Olá Lurdinha, obrigada por visitar-me ´com um comentário cheio de delicadeza.
    Acredito que o que mais se vê hoje em dia são esses sentimentos pequenos, mas que causam grandes estragos. A humanidade involuiu, infelizmente.
    Beijinhos.

    ResponderExcluir
  18. Querida, Leah, demorei, mas já cá estou no meu cantinho, embora com pena de ter deixado os meus pais. Adorei o teu camiãozinho, amiga! Quanto à tua crónica, os dois são pessoas das quais nos devemos afastar, um por ser invejoso e pensar que não precisa dos outros, e o dono do camião por ter socorrido o vizinho não por solidariedade, mas por vingança. Infelizmente tipos destes é o que mais vemos por aqui. Amiga, espero que estejam todos bem por aí e obrigada pelo interessante post. Um beijinho
    Emilia

    ResponderExcluir
  19. Como publiquei novo poema, passei para ver as novidades...
    Mas aproveito para lhe desejar um bom fim de semana, amiga Léah.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  20. Querida Léah
    ✿¸.•❤•Mãe é o princípio de tudo, mulher sublime, presente de Deus, exemplo de amor para os filhos e netos. Feliz Dia das Mães. Grande beijo e um terno abraço, Gracita.•❀.•❤•.¸✿¸.•❤•

    ResponderExcluir
  21. Em primeiro lugar, um grande aplauso à sua criatividade e habilidade em contar-nos histórias divertidas onde reconhecemos perfis de pessoas mal formadas, que existem por todo o lado.
    Gostei muito Léah, como gosto da pintura que serviu de ilustração.
    Lamento muito que os nossos percursos tenham andado tão afastados, embora saiba o trabalho que dá arrumar uma casa nova, ao procurar um lugar para cada objeto...
    Querida Léah, desejo que tenha passado um excelente Dia de Mãe...
    Fiz uma homenagem especial às mães brasileiras com uma prosa poética de Lya Luft, que sei que adoraria ler...
    Dias muito agradáveis e felizes.
    Abraço e beijos, com carinho de grande Amizade.

    ResponderExcluir