Minhas Pinturas

Seguidores

Minha lista de blogs

quarta-feira, 24 de fevereiro de 2016

                                        abstrato em acrílico Painel



O Crime
                                          Léah MorMac

Sentado na varanda conseguia vislumbrar uma grande área, via as casas da vizinhança e se satisfazia com aquela invasão. Era já um vício aquelas “espiadas“  diárias. Mas a casa que ele via melhor era a do Gomes.
Tratava de ficar meio escondido entre os vasos de plantas, e, só saia dali quando era chamado por Beta, com uma raiva mal contida, que deixava transparecer na voz esganiçada...
- João vem almoçar...”João fofoca” vem me ajudar com a vassoura... João sai daí, faça alguma coisa...
Era assim todos os dias, todas as horas.
Beta, resmungava, praguejava e ameaçava amarrá-lo naquela cadeira.
- Assim não precisará ter o trabalho de se levantar e sentar...
Naquele dia, João chegou na cozinha, sem cor  e trêmulo mal conseguindo tocar no braço de Beta.
- Deus  do céu o que foi homem, o que está sentindo? Fala, fala...
Com muita dificuldade ele balbuciou:
-Eu vi Bebebeta, eu vi um crime, na casa do Gomes!
- O que, homem? Cê sonhou naquela cadeira.
-Não sonhei nada,  começou a explicar:
-Ele passou no quintal todo sujo de sangue, e olhando de um lado para outro, para ver se alguém o via, passou meio curvado carregando uma espécie de embrulho, de onde,  de repente caiu algo, soltando-se do papel, e quando ele se apressou em pegar, eu vi, era uma cabeça de mulher. Eu vi, eu vi! Ai! Ai! Ai Beta, só podia ser a da Georgina e pingava  sangue! Ai! O que vamos fazer, chamar a policia?
E correu para o quarto, e ela seguiu-o com medo de ficar sozinha na cozinha .
Beta não tinha mais  espaço para arregalar os olhos, começou a andar nervosamente e falando:
- Meu Deus eles se davam bem, só se foi ciúmes, que ele tinha bastante do Elias, será? Não, não, deve ter sido por causa do Seu Carlos que vivia esticando o olho para a bunda da Georgina,  que gostava bem de passar rebolando por ele.
 Mesmo assim, matar, cortar-lhe a cabeça como Maria Antonieta é demais... Meu Deus,  João, e agora? Ele viu você espiando?
- Não sei, eis o problema!
Ele  espiando pela greta da janela tentava enxergar a casa do Gomes.
Em sua casa, Gomes contemplava sobre a mesa uma cabeça com olhos estatelados, cabelos empapados, que sujara toda a mesa. Dava gargalhadas  a se contorcer.
Então, surge na frente dele Georgina que falou:
- Gomes, pare de rir e me diga você acha que deu certo, acha que esta cabeça de 
papier maché e suja de massa de tomates vai enganar aquele velho fofoqueiro, e fazê-lo parar de espiar para cá?
 E Gomes tentando conter o riso:
- Tenho certeza, agora vou esperar  pois provavelmente ele vai chamar a polícia. E eu vou dar uma de artesão.
FIM
                                                                         
 

17 comentários:

  1. Adorei a história! Muito engraçada mesmo! :)
    Gostei do seu blog e fiquei a seguir!
    Beijinhos**

    http://anagalhano.blogspot.pt/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Ana que bom encontrá-la por aqui e com tanta gentileza.
      beijinhos, Léah

      Excluir
  2. Oi Léah
    Que belo conto!
    E olhe que bastante viu?
    Uma talentosa pintora e uma grande escritora. Parabéns
    Beijinhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Gracita, acho que as pessoas nascem com várias vocações, e de vez em quando uma aflora. Mas no meu caso é só de vez em quando :-)
      Beijinhos,Léah

      Excluir
  3. Bonjour chère amie,

    Une sacrée histoire !... Une peinture remplie de couleurs.

    Gros bisous ♡

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Martinealison De temps à autre
      J'aime jouer novelis :)....
      beijinhos, Léah

      Excluir
  4. Que bem feito amiga Léah ! :)
    Uma excelente ideia para aplicar àqueles que gostam de espiar os vizinhos :)
    Mais um abstracto com um efeito visual muito bonito , para mim parece um pôr-do-sol.

    Um beijinho já recuperado do resfriado :)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Fê às vezes sinto vontade de brincar de escrever,mas devo ter me "inspirado" num vizinho mal educado que tenho por aqui, rsrsrsrsrs...
      Vale a interpretação visual de cada um. Acho que pinturas desse estilo leva a esta liberdade, o artista, (e de artista todos temos um pouco), já sabe disso e no meu caso gosto.
      beijinhos muitos, Léah

      Excluir
  5. rssssss, ótimo conto, Léah! O final, o papier maché foi surpreendente... Não imaginei. E o pior é que fica muito parecido! rs
    Danadinha, também caminha bem pelo conto!
    Gostei muito!
    Um beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Tais,as vezes é bom variar a função e usar um pouco a pretensa vocação, até rimou mesmo sem eu querer!rsrs...
      Gracias, beijinhos, Léah

      Excluir
  6. Hum além de pintora faz contos tão
    bonitos e interessantes que maravilha
    adorei vc está de parabéns

    Bom final de semana..
    Abraços com carinho!

    └──●► *Rita!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Rita: É dito popular que de médico e louco cada um tem um pouco, esqueceram de acrescentar de metida a escritora eu tenho um pouco :), obrigada pela congratulação
      Beijinhos, Léah

      Excluir
  7. Léah,

    Gostei muito do seu conto. Uma leitura agradável, com o necessário suspense. Por pouco não fui denunciar o Gomes, que parecia ter cometido um horrendo crime. E isso não era de todo impossível, com os ciúmes que tinha do Elias, e também do Seu Carlos, para quem Giorgina até se engraçava. O fato é que Gomes deu a lição ao velho fofoqueiro merecia.

    Parabéns, Léah.
    Abraços.

    ResponderExcluir
  8. Pedro, Que bom que você gostou...
    As vezes não dá vontade de pregar uma peça nesses fofoqueiros?
    Obrigada pela presença, abraço
    Léah

    ResponderExcluir
  9. Espionagem e contraespionagem...
    Parabéns pela excelência do seu conto. Gostei imenso, já que para além de bem escrito e estruturado, ele contém uma mensagem clara.
    Boa semana, querida amiga Léah.
    Beijo.

    ResponderExcluir
  10. Olá Jaime: Pronto agora estou perdida fui descoberta sou da "SIA", rsrsrs...
    Amei seu comentário,
    grande abraço, Léah

    ResponderExcluir
  11. Esqueci-me de referir a magnífica pintura que acompanha o texto, da qual gostei imenso.
    Se é da "SIA" ou da "CIA", não sei. O que sei é do seu talento como escritora e como pintora. E terá outros, por certo, fosse eu espião e descobriria num ápice... rsrsrs...
    Bom fim de semana, querida amiga Léah.
    Beijo

    ResponderExcluir