Minhas Pinturas

Seguidores

Minha lista de blogs

sábado, 6 de julho de 2013

minha vida minha arte




Minha vida minha arte
Houve um tempo em que meus parentes diziam:
“-- Ser pintora é profissão de gente rica, pra que ficar pintando florezinhas, ou paisagens é só olhar em volta as paisagens estão aí com florezinhas e tudo, perda de tempo e dinheiro, arranje uma profissão  de verdade...”
E eu sonhava em pintar, mas  nada que eu fizesse era aceito ou visto como arte.

(óleo sôbre tela de madeira 22x14)
Menção Honrosa 







Estudei para outra profissão bem burocrática e trabalhava, mas eu odiava,  e nas horas vagas num cantinho qualquer da casa pintava meus quadrinhos e pendurava-os pelas paredes da casa de meus pais, porém só eu os apreciava.
No aniversário de uma parenta, numa época que eu havia perdido o emprego, e não tinha dinheiro para comprar nada, resolvi caprichar num quadro pintado em tela de madeira (Eucatex),  e dei-lhe de presente.
A presenteada perguntou o que era e num obrigada muito seco quase o jogou sem desembrulhar ao lado de todos os outros que estavam bem expostos num aparador, somente o meu permaneceu ali até o final da festa embrulhado, bem escondido no papel de presente.
Meses depois precisei ir até sua casa e vi o quadro em baixo de um vaso de plantas semidestruído pela água e pela terra.
Senti-me tão humilhada e envergonhada que fiquei muitos anos sem querer olhar para tintas ou pincéis.
Um dia já depois de casada olhando para as paredes de minha sala sem um quadrinho, vazia, fria, voltou a vontade de pintar e em pouco tempo a sala estava mais alegre e viva.  Incentivada por meu marido resolvi dar um basta naquela “frustração ou complexo de inferioridade,” recomecei a estudar e entrei para a escola de Belas Artes,  mas aquele complexo não me largava, tinha medo de entrar em exposições, e  ser rejeitada foi outra luta interna até conseguir.
Outra vez meu marido esse meu grande incentivador convenceu-me a experimentar e expor  dois quadros que foram premiados, com medalha de prata e de bronze

(Óleo sobre tela –Medalha de prata- acervo)


(Óleo sôbre tela- medalha de Bronze acêrvo)

Entretanto ir a vernissages era um sacrifício inominável, presenciava a bajulação de outros pintores para com os juízes, queriam vencer a todo custo,  e aquelas atitudes me agrediam me desiludiam e aumentavam minha timidez, e resolvi  levar os quadros para as exposições, mas não ia às vernissages abandonei aquela fogueira de vaidades na qual eu não conseguia me enquadrar. Ganhei vários prêmios e enquanto isso  uma amiga vendia meus quadros, pois eu não levava o menor jeito para comercializa-los.
Aí meu marido foi transferido para uma pequena cidade do interior onde tudo era difícil e muito simples, era uma vida muito diferente da que eu vivia no Rio de Janeiro, lá eu não conhecia ninguém e minha principal atividade era cuidar de nossa casa e de minha mãe doente. Ficamos lá dois anos, sempre que podia pegava o carro e vinha para o Rio onde tínhamos uma casinha na praia e comprava material e voltava e  pintava nas horas vagas. Foi uma fase muito tensa e ao mesmo tempo de pasmaceira naquela cidadezinha.
De lá desta cidadezinha fomos transferidos para outra igualmente pacata, com valores bem diferentes da grande cidade que é o Rio de Janeiro e mais dois anos de fugas para o Rio e rezando muito para conseguirmos voltar definitivamente para nossa cidade, e graças a Deus conseguimos!
 Aqui chegando nos envolvemos na construção de nossa casa e as pinturas ficaram guardadas aguardando meu pequeno atelier ser construído na casa.
Um dia surgiu o convite de uma amiga para eu ensinar umas crianças carentes a pintar eram de uma escolinha onde ela era diretora.
Quando eu estava bem feliz veio  a prefeitura removeu a escola para outro bairro trocou a diretora, enfim acabaram as aulas.  
 Depois com meu atelier já pronto resolvi dar aulas para umas mulheres de uma comunidade pobre e aí  uma vez por ano elas e eu organizávamos um leilão para os  trabalhos delas e dava-lhes o dinheiro. Embora elas gostassem mais de trabalhos artesanais e de reciclagem, foi um bom tempo, mas, por motivos de saúde de meu marido tive que encerrar essa atividade também.
Hoje está tudo bem, meu marido com saúde,  não entro mais em exposições, e nem  dou aulas, entretanto nunca mais deixei de pintar, posto todos os meus trabalhos  no meu blog e uma vez por ano troco todos os quadros que estão na minhas paredes,  de vez em quando alguém me encomenda um quadro ou presenteio alguém, ou simplesmente mando-os para o bazar da igrejinha aqui perto de casa.
O importante para mim é pintar quando quero e tenho inspiração, é ter vencido todos os empecilhos, ter conseguido valorizar a opinião de quem realmente me respeita e ama.
Foi difícil, pois tem coisas que ficam como ranço em nossa mente, mas venci e me libertei
daqueles complexos inúteis.
Mas aquela parenta quando vem a minha casa  não tece nenhum comentário sobre meus quadros, aliás, ela nem olha para os que estão nas paredes por maior que eles possam ser, prefere olhar para o chão, para uma cadeira ou para qualquer outro objeto, chega a ser engraçado!  Percebo porque sou observadora, mas não me afeta isso agora é um problema só dela. 

  Léah

15 comentários:

  1. Adorei ler o seu percurso pela arte, um caminho que não foi fácil mas que foi vencido. O importante não são os outros, o importante é nos sentirmos bem connosco próprios. Adoro a natureza e particularmente flores, as suas telas encantam-me sempre, elas são maravilhosas.
    Peço desculpa da minha ausência, mas problemas pessoais têm "roubado" o meu já bem pouquinho tempo disponivel e a minha disposição.
    Um excelente domingo
    Beijinhos
    Maria

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amiga, também gosto muito de mais de pintar flores.
      Você esta sempre presente em meu pensamento. Sei perfeitamente que para as mulheres tem sempre mais e mais coisas a nos esperar, coisas que a vida vai delegando para nós.
      Tomara consigas tempo de relax maior em breve.
      beijão,
      Léah

      Excluir
  2. Léah,uma super história que comove e ao mesmo tempo achei legal vc não ter desistido de pintar,pois são muito lindos os seus quadros.Minha mãe tb pinta e já fez quadros pra familia inteira.Aqui em casa só tenho quadros dela;flores,caminhos e um Jesus que ela fez especialmente pra mim.Eu acho um dom divino e que traz muita realização pessoal.Bjs e boa semana!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Anne, acho que tudo na vida tem uma motivação, para mim todos os acontecimentos serviram para eu aprender a dar valor ao que dou hoje em dia, que são o amor da família que formei, da possibilidade que tive de exercer minha arte e usar o dom que nasceu comigo dado por Deus.
      Mas gostaria muito de ver os quadros de sua mãe, devem ser lindos pois são feitos com amor e admirados pela filha.
      Beijão,
      Léah

      Excluir
  3. A sua história é tão bonita quanto a sua arte!
    Você merece parabéns pela simplicidade do seu espírito e pela qualidade do seu trabalho artístico
    Uma boa semana de muita paz para você

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá amigo pintor:
      Vindo de você esse parabéns é um elogio, pois admiro muito seu estilo, sua arte. Grata, abraços
      Léah




      Excluir
  4. Querida Leah, una historia conmovedora la tuya, gracias por compartirla. Este post tiene unos oleos fantasticos. Felicidades y te deseo lo mejor. Besos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eva querida:
      Pois é eu gostaria de ser boa como você em aquarelas, mas tenho muito que exercitar para chegar até onde chegaste.
      Gracias pela visita, beijos
      Léah

      Excluir
  5. La pittura, come la vita è lo scrigno di quello che siamo e che siamo stati.... La mia storia non è stata mai troppo facile,ma ho avuto anche tanti doni insieme alle difficoltà. La tua storia è piena di difficoltà,ma i tuoi quadri parlano di tante cose belle...tu hai messo equilibrio dentro lo squilibrio che hai dovuto affrontare ed oggi,tramite blogger, io posso ammirare la tua grande arte nella pittura, insieme alla tua grande arte di vivere. Brava Leah! Abbraccio grande,Rita.

    ResponderExcluir
  6. Ciao Rita:
    Oggi mi rendo conto che le situazioni erano lezioni di vita che ho dovuto usare con profitto per la mia crescita non solo come artista ma anche come la persona che sono oggi.
    beijo,
    Léah

    ResponderExcluir
  7. Minha nova amiga, tenho uma história de vida muito parecida com a sua,
    Também adoro pintar e infelizmente não segui o meu sonho.
    Adorei as suas pinturas, os pormenores, as cores, a escolha dos temas. Parabéns!

    beijinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Fê blue bird:
      A melhor coisa de se ter um blog são as amizades que fazemos, fiquei .feliz por você me incluir na sua lista de amigas.
      A vida nunca é o que sonhamos, mas com muita perseverança pode-se mudar o caminho para onde nos empurram, e os mais antigos que eu, (kkkkk) dizem que enquanto há vida há esperança, tente, sem se importar com as opiniões externas, o importante é ser feliz.
      beijão.
      Léah

      Excluir

  8. Hoje agradeço sua amizade elogio seu post
    e desejo um bom final de semana
    Bjuss com uma bela frase
    Rita!!!!

    . . . ✿•*¨`*•.¸(¯`v´¯)¸.•´*¨`*•✿ . . .
    "Não importa se teu mundo tá caindo aos pedaços. Quando você começa a ter mais fé, de alguma maneira linda a vida dá um jeito de ficar melhor."

    - Caio Fernando Abreu-

    ResponderExcluir
  9. Olá Rita depois de suas palavras meu fim de semana vai ser muito bom.
    Obrigada também por sua amizade. Tudo de bom
    Beijão,
    Léah

    ResponderExcluir
  10. LÉAH

    PASSEI PARA LHE DESEJAR BOM FIM DE SEMANA E TUDO DE BOM.
    ADORO A MINUCEA DA DA SUA PINTURA, GOSTEI DE LER O SEU DESABAFO.
    DEIXO 1 BEIJINHO LÍDIA

    ResponderExcluir