Minhas Pinturas

Seguidores

Minha lista de blogs

terça-feira, 29 de maio de 2012

O CÃO E A PISCININHA

 



Às vezes  lembro-me de coisas engraçadas que  aconteceram no  passado recente.
Quando meus filhos eram pequenos fomos morar numa casa com um quintal não muito grande e onde havia uma mangueira, um coqueiro e um pé de laranja lima,  e eu queria fazer uma piscininha para as crianças se divertirem no verão, mas o lugar onde batia o sol da manhã era justamente onde ficava o coqueiro que eu não queria derrubar, mas como não sou de desistir de meus projetos, desenhos vão desenhos vem, até que saiu o definitivo e o maridão gostou, aí partimos para a obra:
Chamei um cara para fazer o buraco onde íamos construir a dita cuja, ele conhecia e era conhecido no bairro inteiro era o chamado “quebra galho”, "o que fez a parte não profissional da obra" mas  levava boa parte do dia conversando com um ou com outro conhecido, o que me impedia de chamar o profissional para fazer a piscininha, e me livrar daquele buraco perigoso  até para as crianças.
Na nossa vida existia também um dog alemão, que compramos para vigiar a casa, mas ele só queria brincar, conseguia amedrontar as pessoas pelo seu tamanho e seu forte latido. Com uns 8 meses de idade  era um torpedo de mais ou menos 40 quilos.
Quando de uma saída qualquer chegávamos em casa ele vinha sempre nos receber alegre e trotando e quando nos encontrava pulava no nosso peito nos derrubava e ainda ganhávamos uma  lambida babada, com a qual ele possivelmente achava  estar nos agradando com esta atitude aloprada de carinho... No fim de um tempo tivemos que mandar adestrá-lo, pois ele conseguiu derrubar no chão todas as pessoas da familia, mas nós o amavamos, com a mesma intensidade que ele.
Um dia ele nas suas loucas corridas caiu no buraco da então futura piscina, só que neste dia o sol estava a 40ºC com nenhuma sombra disponível e ele não conseguia sair de lá, chorava, gania, latia com todo aquele vozeirão dele.
Minha filha chorava com pena dele, meu filho pedia para que eu o tirasse de lá, e minha mãe me mandava deixá-lo lá até que ele resolvesse sair como entrou.
Movida pelos apelos e “desapelos”, lá fui eu provida com uma escada de armar, alguns tijolos de barro desci até o buraco e aí começou a luta!!
Meu filho me ajudando com os  tijolos fui arrumando-os  em forma de degraus e incentivava o cão, (cujo nome era Dino, abreviatura de dinossauro), a subir por eles,  empurrava-o colocava as patas da frente nos degraus, quando conseguia colocar as de traz ele tirava as da frente, e assim se desenrolou a luta por muito tempo, pensei em recorrer aos bombeiros, mas desisti,  o sol nos castigando e minha mãe espanhola, quando aborrecida falava castelhano, e dizia:
-Dejarlo  donde está, no va a morir él sabe Salir- (deixe-o onde está, não vai morrer ele sabe sair)
-Não mãe ele vai morrer de insolação, tenho que tirá-lo daqui...
Eu já  desesperada não sabia mais o que fazer!
O homem que estava  fazendo o tal buraco não apareceu naquele malfadado dia para pelo menos ajudar-me.
Minha mãe que estava ali torcendo contra foi para dentro de casa e um tempinho depois voltou com um bife de carne de boi cru  na mão acenou para o cão e ele num salto atlético saiu do buraco, sem ajuda de degraus nem tampouco da minha !
Sábia mãe.
Só me restava ter forças para arrastar-me até o chuveiro, pois eu estava suada e suja de terra até a alma, com tanta canseira e ao mesmo tempo aliviada fiquei ali uns minutos sentada no chão,  rendi-me as gargalhadas de minha mãe e de meus filhos acho que até o Dino estava rindo, afinal foi uma ótima estratégia para ganhar um BIFE SUCULENTO.
 Texto  de LéahMorMac

quinta-feira, 3 de maio de 2012

foto de meu quintal

                          Fotografia de meu quintal em plena floração.